Posts Tagged ‘redes sociais’

O bloco dos infográficos

23/03/2011

Passou o Carnaval, a nossa maior festa popular, mas a festa dos infográficos ainda corre solta!

Dessa vez o pessoal da Riot e da Sampa.ad passou o feriadão todo analisando o montão de tweets que brotavam sobre os desfiles, os trios, os blocos e todo aquele clima que a gente já sabe como é.

O resultado é um infográfico sobre os vencedores do Carnaval no quesito festas, musas, cervejas, blocos, escolas, e tudo que acontece em meio a essa paixão nacional.

Clique na imagem para visualizar o infográfico completo.

Via.

Anúncios

Renault | Mais um #fail

16/03/2011

Segundo Daniely, mesmo com o veículo na garatia, a montadora Renault não realizou a troca.

Depois do caso da Brastemp, com Oswaldo Borrelli, ter repercutido tanto e, felizmente, ter dado resultados, agora foi a vez de outra empresa virar alvo de insatisfação nas redes sociais.

Insatisfeita com a postura da Renault, a consumidora Daniely criou o site MeuCarroFalha e gravou vídeos para alardear críticas contra a montadora. Segundo ela, o carro do modelo Mégane foi comprado cerca de 4 anos atrás e, desde então, não possui condições de uso. Ela alega ter entrado em contato com a assistência técnica por várias vezes, mas o esforço foi em vão.

A consumidora também entrou com ação judicial contra a Renault, e até um perito confirmou que o carro estava de fato com defeito. Segundo ela, embora estivesse no período de garantia, a montadora não realizou a troca do modelo.

O site já teve mais de 70 mil acessos e notícias e vídeos sobre o caso circulam pelas redes sociais, um sucesso, não? Não.

A resposta da Renault, segundo a AdNews, foi conseguir uma liminar que obriga a cliente a retirar do ar em 48h as denúncias feitas em seus perfis de Twitter, YouTube, Facebook e Orkut e a exibição pública do carro.

E mesmo depois de tanto se falar nisso, ainda tem empresa que consegue fazer tudo errado. Infelizmente a Renault não percebeu que é muito melhor fazer como a Brastemp, que assumiu a culpa e resolveu o problema, do que agir de maneira antiquada à realidade atual. Dessa forma ao invés de ganhar aliados, a empresa ganhou antipatia.

Uma pena a Renault ter perdido uma grande oportunidade de mostrar o quanto valoriza seus consumidores.

7 anos de Orkut

01/02/2011

O Orkut completou sete anos de existência na última semana, e não tem do que reclamar: continua na liderança absoluta como rede social mais utilizada pelos brasileiros, mesmo com a escalada vertiginosa de outro site que também nasceu em 2004, o Facebook. A rede social que caiu no gosto dos brasileiros tem cerca de 85 milhões de usuários no mundo – bem mais modesto que seu rival, com 600 milhões de usuários – e 90% da penetração no país, segundo dados da Ibope Nielsen.

De olho nesse mercado promissor, o Orkut lançou uma comunidade voltada para o Brasil, como parte das atividades de aniversário. Lá os internautas podem acompanhar as últimas novidades do site.

O pessoal do Orkut costuma fazer jogo duro para revelar números relativos à rede social, mas a empolgação com o aniversário deve ter feito a guarda baixar e algumas estatísticas interessantes foram divulgadas. O game Mini Fazenda, por exemplo, tem 17 milhões de usuários. Só na véspera do Natal, os usuários compartilharam 93 milhões de scraps, quebrando um recorde dentro da rede social. O Ano Novo também foi movimentado: no dia 3 de janeiro, primeiro dia útil de 2011, foram exibidas 1,6 bilhão de fotos. Isso dá 19 mil exibições por segundo.

Porem, mesmo não sendo abalado pelo crescimento de outras redes, o forte desempenho do Twitter e do Facebook em plataformas móveis deve levar a rede a olhar com mais atenção para aplicativos para celulares, além do sistema Android, do próprio Google.

Outra surpresa, apesar de não confirmado pela empresa, é um vídeo de Joe Pena, o MysteryGuitarMan. Pena, famoso pelo seu canal no YouTube com vídeos musicais, falou em seu perfil no Twitter que está gravando uma mensagem especial para o aniversário da rede.

Sponsored Stories | Novo tipo de propaganda no Facebook

28/01/2011

O Facebook anunciou nessa semana seu novo formato de publicidade, o Sponsored Stories, que, resumidamente, significa que qualquer atividade sua no Facebook pode virar propaganda.

Agora as marcas podem aproveitar as menções que você faz a ela, seus checkins e itens que deu ‘like’, exibindo a propaganda no mural de seus amigos como uma aprovação sua.

O único problema é que não é possível optar para não fazer parte das Sponsored Stories. No máximo você pode clicar no ‘x‘ para fechar a mensagem.

Funciona mais ou menos assim: você curtiu a página da Coca-Cola no Facebook, por exempo. A marca pode então exibir isso para seus amigos como: “Fulano de tal curte a Coca-Cola”, mais mais alguma mensagem promocional logo abaixo.

A própria Coca-Cola é uma das marcas que já está nessa fase inicial do formato, junto com Anheuser Busch e Playfish, mais ONGs como Malaria No More, Anistia Internacional, Women for Women, Autism Speaks, (RED), Alzheimer’s Association e UNICEF.

Uma questão importante levantada pelo RWW, é o que acontece quando você ou um amigo faz checkin em algum lugar, por exemplo, e fala mal da experiência? A marca vai ‘patrocinar’ isso – já que todo o processo deve acontecer automaticamente – ou existirá moderação?

Ao início disso tudo teremos que tomar mais cuidado para que nossa vida digital não seja transformada em publicidade.

E lembrando do filme ‘A Rede Social’, fiquei pensando… para um cara que não queria publicidade na sua rede, o Facebook está ficando atolado de mensagens patrocinadas, né? Até quando será que isso vai durar?

Veja o vídeo explicativo desse novo tipo de propaganda:

Via.

Facebook | Teste de compra coletiva

27/01/2011

Usando o dinheiro virtual do Facebook, os consumidores poderão comprar produtos adquiridos por amigos com desconto.

Para entrar na onda dos sites de compras coletivas, o Facebook criou o “Buy With Friends”, seu próprio modelo de compra coletiva, no qual o usuário consegue descontos ao adquirir algo que viu no perfil de um amigo. Por enquanto o serviço está disponível somente para compras virtuais.

Funciona mais ou menos assim: o usuário compra alguma coisa com a moeda da rede social, o Facebook Credit, e pode escolher pra compra aparecer na sua newsfeed (onde ficam todas as atualizações). Se um amigo ver aquilo e se interessar pelo produto, pode fazer a compra a partir da própria página de atualizações e ainda ganha desconto por isso.

Por enquanto o recurso só tá disponível para aquisições ligadas aos jogos do Facebook, e são os desenvolvedores que determinam as condições e os itens que terão desconto. Mas o serviço abre uma porta para a rede se expandir até atingir o patamar do Groupon e também concorrer com o Google em mais uma área, já que o gigante de buscas pode estar prestes a lançar o Google Offers.

A chefe de comércio e produtos de marketing do Facebook, Deb Liu, afirmou, durante a Inside Social Apps Conference, que durante o período de testes, mais da metade dos usuários impactados pela novidade escolheram compartilhar as compras com os amigos na rede social.

Via.

Mídias sociais vs sites corporativos

18/01/2011

Uma nova tendência que desponta para 2011 é substituir os sites corporativos por perfis nas mídias sociais, já que muitos gestores acreditam que as redes sociais já suprem, em grande parte, suas necessidades na internet. Mas será que essa é uma técnica válida?

Essa atitude pode ser muito perigosa, já que as mídias sociais são muito eficientes para certas coisas, como divulgações e relacionamentos, mas elas não são o suficiente.

As mídias sociais ajudam na divulgação de uma empresa e de seus serviços e produtos, mas ainda não comportam todas as necessidades que o consumidor precisa ter da sua marca. Não se esqueça que o site corporativo é a fachada da sua empresa na internet. É o lugar que o cliente pode visualizar com detalhes o que sua empresa é capaz de fazer, o que já fez de importante e sentir – ou não – confiança no que ela transmite.

Basicamente, as mídias sociais é o meio de divulgação que sua empresa precisa ter para chegar até ela. É como se fosse anúncios ou outdoors; e o site corporativo é onde o consumidor tem que chegar, como se fosse a sede da sua empresa (e na verdade, ela é a sede da sua empresa na internet!).

Ou seja, cada um tem suas especificidades e precisam ser trabalhados juntos, assim sua empresa estará aproveitando amplamente as vantagens que a internet pode oferecer. Lembre-se que o mais importante é respeitar e usar o que cada um tem de melhor a seu favor!

Inspirado no texto de Esther Hinrichsen, divulgado no AdNews.

Para saber como conciliar sua identidade na internet, contate-nos.

Marketing Digital em 2011

12/01/2011

Vi um texto de Silvio Tanabe publicado na Exame, e achei muito interessante. O texto mostra exatamente como o caminho que o marketing digital tende a seguir, e quais aspectos que sua empresa precisa considerar para se destacar na internet. Por isso vou postar o texto aqui na integra.

~

Seguindo o exemplo da economia, 2010 foi o ano em que a internet bateu recordes no Brasil. O número de internautas no país ultrapassou os 80 milhões, o equivalente à população inteira da Alemanha ou duas vezes a da Argentina. O e-commerce fechou o ano com faturamento de R$ 15 bilhões e 40% de crescimento em relação a 2009, um dos maiores índices já registrados, e os sites de compra coletiva tornaram-se um fenômeno de marketing: 246 deles no ar em menos de um ano, com previsão de faturamento de R$ 300 milhões.

Por sua vez, os investimentos em marketing digital atingiram 10% do orçamento de marketing das empresas, com estimativas de aumento de 90% até 2014. Mas é bem possível que essa previsão se concretize até mesmo antes, tal a importância que essa área vem ganhando, conforme revelam as pesquisas realizadas em 2010:

94% dos internautas fazem compras online no Brasil (ComScore).

Consumidores acessam a internet três vezes em média para pesquisar o produto que pretendem comprar (McKinsey).

Na nova classe média digital na América Latina, 33% das mulheres preferem internet à TV (Razorfish/Terra).

60% dos internautas aprovam que empresas usem redes sociais (Ibope Mídia) para divulgar seus produtos e serviços.

Para 25% dos usuários, redes sociais ajudam na decisão de compra (Ibope Mídia).

Diante de tais perspectivas, investir em marketing digital em 2011 deixou de ser uma questão de se (vale a pena), quando ou quanto, mas de como. O intuito aqui é apresentar os principais pontos a serem considerados em 2011, principalmente para as empresas de pequeno e médio porte (PMEs). São elas:

e-Commerce: as plataformas de e-commerce são cada vez mais acessíveis, seguras e com vários recursos para administração, controle de estoque, vendas e formas de pagamento. O desafio atual para o sucesso no comércio eletrônico está no atendimento, logística (tanto na entrega quanto na devolução e troca de mercadorias) e segmentação.

Publicidade online: à medida que mais e mais empresas intensificam sua atuação na internet, todos também querem e precisam aparecer para conquistar a atenção dos consumidores e clientes. Diante disso, os investimentos em publicidade online também precisam ser aprimorados. Não se trata necessariamente de aumentar a verba, mas atuar de forma diferenciada para destacar a empresa. Para tanto, é preciso buscar formas criativas de utilizar ferramentas tradicionais, como links patrocinados, otimização e e-mail marketing, e avaliar o investimento em sites de compra coletiva e programa de afiliados.

Redes socias: torna-se quase obrigatório estar presente nas redes e mídias sociais devido a abrangência entre os internautas e crescimento em importância nas decisões de compra. Mas para se obter resultados efetivos é necessário considerar duas variáveis essenciais: seu público-alvo e a forma como ele interage em cada rede social. A partir desta avaliação é possível definir a melhor forma de atuação, que pode ser promover seus produtos, prestar serviços ou atendimento, tirando dúvidas ou prestando esclarecimentos aos consumidores.

Tendências: na internet, as novas tecnologias e tendências surgem a todo o momento. Umas evoluem aos poucos, outras parecem surgir do nada e tornam-se fenômenos rapidamente. Em 2011, a tendência que merece mais atenção é o mobile marketing. Acompanhe a popularização dos smartphones com conexão à internet, do iPad e tablets (computadores sem teclado), que possibilitam novas formas de publicidade, como aplicativos (apps) e games.

Profissionalização: o último e talvez mais importante aspecto a ser considerado é a profissionalização da gestão do marketing digital. Seja por meio de profissionais próprios ou de uma agência, é necessário ter a orientação e suporte especializado para planejar, executar e acompanhar as diversas ações, que além de tudo precisam estar alinhadas e integradas a outras atividades comerciais e de marketing da empresa.

* Por Silvio Tanabe, consultor de marketing digital da Magoweb e autor do blog Clínica Marketing Digital

Para saber como gerar maiores e melhores resultados nesse meio digital, clique aqui.

Brasil | O país do Twitter

12/01/2011

Que a presença do Brasil no Twitter é forte todo mundo já sabe, mas agora isso é comprovado por meio de números: um em cada cinco brasileiros que têm internet em casa usa o Twitter pelo menos uma vez por mês.

Só ficamos atrás da Indonésia. O próprio EUA, que lidera o número absoluto de usuários, fica atrás do Brasil. Lá só uma pessoa em cada 10 é twitteira (dados da comScore).

Segundo a pesquisa, significa que somos 5,6 milhões de usuários frequentes no país, mas na realidade somos mais! Isso acontece porque só 28 milhões de brasileiros têm internet em casa. Mais de 40 milhões usam só nas lan houses (e não entraram na conta).

Depois de tanto sucesso, a revista Time fez uma reportagem sobre o tamanho do Twitter no Brasil, tentando explicar o fenômeno. Disseram que “os brasileiros querem mostrar que o país é importante” e que o Twitter “era uma forma de os pobres terem acesso aos seus ídolos”.

Segundo dito na Superinteressante, e considero como a minha opinião também, a razão é mais simples: há 4 anos atrás, quando quase ninguem no mundo sabia o que era rede social, os brasileiros já estavam no Orkut. O resto é consequência!

Via Superinteressante.

E se Jesus nascesse em 2010?

22/12/2010

Esse vídeo já está rolando há um tempo na internet, mas como ainda não tinha postado aqui, achei interessante deixar para que ainda não viu ou quer rever.

Esse é um vídeo criado pela agência portuguesa Excentric, recriando o Natal para os dias atuais. E se Jesus nascesse em 2010, como seria? E se o primeiro Natal fosse na era digital?

Assista (ou reveja!) o filme para saber:

Facebook | Assuntos mais comentados em 2010

15/12/2010

Depois do Twitter, do Google, do Youtube e dos virais, chegou a vez do Facebook divulgar seu top 10 com os assuntos mais comentados pelos usuários nesse ano, dentro da rede social.

De acordo com o relatório elaborado pela empresa, “HMU” (abreviação para “Hit me up”) foi a expressão mais usada em 2010. Segundo o Facebook, as pessoas começaram a adicionar a tag para informar que estavam prontas para um encontro ou para sair com os amigos.

Foi a partir de julho, época de verão e férias escolares no hemisfério norte, que seu uso cresceu consideravelmente. Nesse tempo os usuários começaraam a usar o “HMU” meio que se autoconvidando para sair, explica o relatório.

Em segundo lugar, aparece o assunto Copa do Mundo. Na terceira posição, aparece o tópico Filmes, que foi alavancado devido discussões sobre os longas “Toy Story 3″, The Twilight Saga: Eclipse,” “A Origem” “Alice no País das Maravilhas” e”Iron Man 2” – os cinco mais comentados, respectivamente, no Facebook durante o ano.

iPad e iPhone ficaram com a quarta posição, e Haiti com a quinta. Na sequência aparecem: Justin Bieber, games no Facebook, mineiros, aviões e 2011.

Já no Brasil, o termo mais digitado pelos internautas brasileiros foi “Dilma Rousseff“, a recém-eleita presidente do Brasil. Em segundo lugar aparece o nome do também eleito, Tiririca, eleito para deputado federal pelo estado de São Paulo.

Esta é a primeira vez que a rede social faz um levantamento com dados apenas do Brasil.

Na sequência aparece o nome do festival de música SWU, seguido pelo técnico Dunga, a rede social FarmVille, o atacante santista Neymar, Copa do Mundo, Felipe Melo, Haiti e PSDB.

Para elaborar o relatório, o Facebook analisou as atualizações de usuários de 236 países. A lista surge depois que o site analisa quantas vezes cada termo ou frase é citada nas atualizações de status (posts de uma a quatro palavras) revelando temas ou palavras-chave que são tendências durante o ano. De acordo com o Facebook, todos os tópicos listados tiveram crescimento exponencial em 2010, ou seja, praticamente não existiam no ano passado.

A lista completa pode ser vista no blog do Facebook.

Via Info.