Posts Tagged ‘marketing’

Omo | Guerrilha limpa

21/03/2011

Em alguns lugares dizem que essa ação ocorreu na Alemanha, em outros que aconteceu nos EUA. Como o lugar não importa muito, vamos ver a ação em si!

A Omo lançou uma campanha bem simples com o conceito do produto de ‘lavar mais branco’. Para isso, a empresa revestiu porta guardanapos em lavadoras, onde o papel simbolizava a roupa, prometendo muito mais branco.

Uma ideia simples que chamou bastante atenção!

Anúncios

Como se aquecer antes do jogo

18/03/2011

Ocorreu no último domingo a partida entre Milan e Bari de Milão pelo Campeonato Italiano. Como uma boa garota vou deixar meus comentários desse jogo de lado, principalmente porque não assisti e porque não me interessa muito!

Mas, uma coisa que achei genial foi o ‘aquecimento’ deles! Na verdade foi o primeiro aquecimento promocional da história, promovido pelo jornal esportivo La Gazzetta dello Sport para um público de 60 mil pessoas.

Entraram em campo sósias dos jogadores dos dois times com suas respectivas camisas antes do jogo real começar. Nesse tempo eles começaram a se aquecer… ou quase isso! Teve jogador dançando ballet, outro dando estrela, uns brincando de rouba-bandeira e outros jogando frisbe. Mas os que queriam se destacar eram os jogadores sentados no gramado lendo a Gazzetta dello Sport.

Veja como a torcida ficou confusa e empolgada:

Via.

Adidas | Campanha global

16/03/2011

A Adidas chega com uma nova ação: pela primeira vez vai reunir todas as linhas: Sport Performance, Originals e submarcas de Sport Style em uma identidade só.

Para celebra essa junção, a marca apresenta hoje sua nova campanha global “All Adidas” e, diga-se de passagem, a maior da história da companhia. A campanha mostra a Adidas em suas diferentes áreas de atuação, unindo o mundo das competições, da música e da moda, juntando nomes como Lionel Messi, David Beckham, Derrick Rose, Katy Perry, B.o.B., e outros participantes que expressam vibrações reais e mostram o verdadeiro amor pelo que fazem.

Isso tudo é pra transmitir a nova grande mensagem: seja lá qual for sua atividade preferida, quando você ama o que faz dá seu melhor por isso.

A criação e produção mundial de “All Adidas” ficou por conta da agência Sid Lee, de Montreal, e aqui no Brasil a LewLara/TBWA e ID/TBWA adaptaram a campanha e plano de mídia para o mercado local. E falando em sua campanha no Brasil, além de veículos impressos em revistas como Veja, Playboy e Trip, as propagandas de TV aparecem com impacto inigualável com inserções na TV Globo, TV Bandeirantes, Sportv, MTV e Multishow. Além disso, sites como Globo.com, MSN.com.br e Yahoo.com terão peças com o novo vídeo. Mas o mais legal vem depois: após essa grande divulgação o fã da adidas poderá fazer parte da campanha! Um aplicativo na página da Adidas no Facebook permitirá que os usuários troquem pedaços do comercial por fotos dos seus álbum e façam sua versão.

Veja abaixo o vídeo que conta com trilha sonora do novo sigle ‘Civilization’, dos franceses Justice.

Via.

Axe | Os anjos caíram

15/03/2011

Lembra da campanha da Axe ‘Até os anjos cairão’? Para dar continuidade a atual campanha para a fragrância Excite, a Axe/Lynx decidiu usar suas angels em realidade aumentada para interagirem com as pessoas.

Essa ação foi feita na estação Victoria, em Londres, onde uma enorme tela que usava a tecnologia de realidade aumentada foi instalada. Quando as pessoas paravam sobre um adesivo no chão, viam a mensagem ‘Look up’ (olhe para cima) e viam que os anjos caiam bem ao seu lado.

Veja as mais diversas reações:

Via.

Devassa | Sandy estréia na nova campanha

02/03/2011

Depois que divulgaram que a Sandy era a nova garota-propaganda da Devassa, esse assunto bombou nas redes sociais e portais de notícia.

Segundo Augusto Cruz Neto, sócio diretor da agência Mood, responsável pela campanha, a ideia é mostrar que todo mundo tem um lado Devassa, que até a Sandy pode beber cerveja, subir em cima da mesa e se divertir como qualquer pessoa. Para ele, o filme é um convite para que as pessoas mostrem seu lado descontraído, descolado e desencanado.

Na minha opinião, o marketing em torno disso foi fantástico, usando o estereótipo da garotinha certinha que todos os homens têm fetiche, e deixando as pessoas curiosas pra saber como é esse lado da Sandy.

O comercial foi ao ar ontem (01/03) no intervalo do Jornal Nacional. Na internet, o site deles também já foi reformulado.

Infográfico | O marketing nas mídias sociais

24/01/2011

As mídias sociais já vem sendo usadas como plataforma de marketing para algumas marcas há um tempo, mas como ultimamente tem crescido o investimento e o números de usuários, as ações nas redes sociais tem se tornado bem valiosas para uma marca na web.

Em 2010, foi investido 1,7 bilhão de dólares em marketing nas mídias sociais. O país que mais investiu foi os EUA, que teve mais de 50% da soma dos gastos mundiais. E metade dessas cifras foi para… sim, o grandioso Facebook!

O motivo de tanto investimento é um dos principais diferenciais do Facebook para as outras mídias sociais: a quantidade de dados de usuários que ele tem e como que o plano de negócio do Facebook facilita para a realização de campanhas online.

Veja um infográfico com os números dos investimentos em marketing digital nos EUA no ano passado:

Via.

Marketing Digital em 2011

12/01/2011

Vi um texto de Silvio Tanabe publicado na Exame, e achei muito interessante. O texto mostra exatamente como o caminho que o marketing digital tende a seguir, e quais aspectos que sua empresa precisa considerar para se destacar na internet. Por isso vou postar o texto aqui na integra.

~

Seguindo o exemplo da economia, 2010 foi o ano em que a internet bateu recordes no Brasil. O número de internautas no país ultrapassou os 80 milhões, o equivalente à população inteira da Alemanha ou duas vezes a da Argentina. O e-commerce fechou o ano com faturamento de R$ 15 bilhões e 40% de crescimento em relação a 2009, um dos maiores índices já registrados, e os sites de compra coletiva tornaram-se um fenômeno de marketing: 246 deles no ar em menos de um ano, com previsão de faturamento de R$ 300 milhões.

Por sua vez, os investimentos em marketing digital atingiram 10% do orçamento de marketing das empresas, com estimativas de aumento de 90% até 2014. Mas é bem possível que essa previsão se concretize até mesmo antes, tal a importância que essa área vem ganhando, conforme revelam as pesquisas realizadas em 2010:

94% dos internautas fazem compras online no Brasil (ComScore).

Consumidores acessam a internet três vezes em média para pesquisar o produto que pretendem comprar (McKinsey).

Na nova classe média digital na América Latina, 33% das mulheres preferem internet à TV (Razorfish/Terra).

60% dos internautas aprovam que empresas usem redes sociais (Ibope Mídia) para divulgar seus produtos e serviços.

Para 25% dos usuários, redes sociais ajudam na decisão de compra (Ibope Mídia).

Diante de tais perspectivas, investir em marketing digital em 2011 deixou de ser uma questão de se (vale a pena), quando ou quanto, mas de como. O intuito aqui é apresentar os principais pontos a serem considerados em 2011, principalmente para as empresas de pequeno e médio porte (PMEs). São elas:

e-Commerce: as plataformas de e-commerce são cada vez mais acessíveis, seguras e com vários recursos para administração, controle de estoque, vendas e formas de pagamento. O desafio atual para o sucesso no comércio eletrônico está no atendimento, logística (tanto na entrega quanto na devolução e troca de mercadorias) e segmentação.

Publicidade online: à medida que mais e mais empresas intensificam sua atuação na internet, todos também querem e precisam aparecer para conquistar a atenção dos consumidores e clientes. Diante disso, os investimentos em publicidade online também precisam ser aprimorados. Não se trata necessariamente de aumentar a verba, mas atuar de forma diferenciada para destacar a empresa. Para tanto, é preciso buscar formas criativas de utilizar ferramentas tradicionais, como links patrocinados, otimização e e-mail marketing, e avaliar o investimento em sites de compra coletiva e programa de afiliados.

Redes socias: torna-se quase obrigatório estar presente nas redes e mídias sociais devido a abrangência entre os internautas e crescimento em importância nas decisões de compra. Mas para se obter resultados efetivos é necessário considerar duas variáveis essenciais: seu público-alvo e a forma como ele interage em cada rede social. A partir desta avaliação é possível definir a melhor forma de atuação, que pode ser promover seus produtos, prestar serviços ou atendimento, tirando dúvidas ou prestando esclarecimentos aos consumidores.

Tendências: na internet, as novas tecnologias e tendências surgem a todo o momento. Umas evoluem aos poucos, outras parecem surgir do nada e tornam-se fenômenos rapidamente. Em 2011, a tendência que merece mais atenção é o mobile marketing. Acompanhe a popularização dos smartphones com conexão à internet, do iPad e tablets (computadores sem teclado), que possibilitam novas formas de publicidade, como aplicativos (apps) e games.

Profissionalização: o último e talvez mais importante aspecto a ser considerado é a profissionalização da gestão do marketing digital. Seja por meio de profissionais próprios ou de uma agência, é necessário ter a orientação e suporte especializado para planejar, executar e acompanhar as diversas ações, que além de tudo precisam estar alinhadas e integradas a outras atividades comerciais e de marketing da empresa.

* Por Silvio Tanabe, consultor de marketing digital da Magoweb e autor do blog Clínica Marketing Digital

Para saber como gerar maiores e melhores resultados nesse meio digital, clique aqui.

Canudos comunicativos

06/01/2011

Olhem só um jeito criativo e barato de fazer marketing de guerrilha.

Essa ação super legal veio lá da Indonésia. Para divulgar o curso de radiofusão da Lusy Laksita, a agência Existcomm transformou os canudos que seriam utilizados nos drinks em pequenos microfones, que tinham uma tarja falando sobre o curso.

Veja só como ficou:

Microfones ou canudos?

Vi no Comunicadores.

First United Church | Sem-teto e sem-rosto

14/12/2010

Vemos o problema, mas não vemos o indivíduo

A First United Church, igreja que realiza várias ações humanitárias no Canadá, promoveu uma ação de street marketing que surpreendeu os pedestres semana passada.

Entre 8h30 e 10h da manhã, foram colocadas esculturas de pessoas em três pontos de grande movimento da cidade. O único problema é que foram poucas pessoas que prestaram atenção em um fator principal: as esculturas não continham rosto. O projeto teve resultado previsto: o ser humano está cada vez mais indiferente aos necessitados.

Em pouco mais de uma hora que as esculturas ficaram em seus lugares, milhares de pessoas passaram ao seu lado sem sequer notar sua presença. Segundo os dados, aproximadamente 1.500 pessoas olharam realmente para os sem-teto. Apenas 80 pararam e olharam mais de perto, descobrindo assim a ausência do rosto. Mas somente 7 pessoas realmente repararam num link para o Facebook que continha na roupa de cada um. Cada boneco ganhou o seu perfil: Jody, Steve e Gordon.

“A reação das pessoas é compreensível, dado ao contexto e a hora do dia”, disse Ric Matthews (executivo da First United Church), “mas ajuda a mostrarmos o ponto disso tudo, que nós muitas vezes vemos o problema, mas não vemos o indivíduo”, completa.

Criação da DDB.

Vi no Ypsilon 2

2011 | O ano da Mídia Out Of Home

09/12/2010

Por muitos anos os profissionais da Mídia Digital Out Of Home olhavam para frente e pensavam se no ano seguinte finalmente o setor engrenava. Finalmente esse ano chegou!

A adesão à Mídia Digital Out Of Home veio seguindo o mesmo caminho do online, cinema e até das mídias sociais. Quando uma nova mídia amadurece, se torna fácil de comprar, produz resultados consistentes e consegue um enorme alcance, ela é rapidamente adotada. Isto vai acontecer com o DOOH em 2011, e, em muitos aspectos, já começou a acontecer.

Grandes anunciantes já investem milhões nesta categoria, e isto está acontecendo por conta do crescimento substancial das grandes redes através da consolidação e expansão. O meio também está mais confiável, com mensurações e validações profissionais. E profissionais experientes de mídia estão agora ativamente na venda do espaço.

Podemos destacar alguns pontos de inflexão – quando uma mídia vai além dos testes e se torna aceita nos planejamentos – como:

Em nível macro, a mídia é eficiente. 70% dos americanos maiores que 12 anos viram algum tipo de mídia digital em um local público no último mês, e 52% viram na última semana. Pesquisas mostram que a Mídia Digital Out Of Home em ambientes públicos atinge mais americanos num mês que os vídeos compartilhados pelo Facebook, Hulu e YouTube juntos. O DOOH está engajando as pessoas, com 47% de recall em anúncios específicos que viram nas telas no último mês. E quase 20% dos que viram um anúncio vão fazer uma compra que não planejaram por causa dele.

Elemento chave para os grandes anunciantes. E, além disso, o DOOH está sendo reconhecido como um complemento para qualquer campanha, até em mídias sociais. As renovações estão começando a gerar mais negócios que novos anunciantes nas grandes redes de Digital Out Of Home. Os 10 maiores anunciantes nos Estados Unidos gastaram cada um mais de um milhão de dólares nos últimos meses em DOOH.

As fusões e aquisições esquentaram. Isto está acontecendo em parte pela oportunidade, mas é também um modo rápido de crescimento das redes que qualquer campanha nacional exige. Cerca de 25% do setor estará envolvido de alguma forma nestas fusões e aquisições no próximo ano.

Grupos de audiência. O planejamento e a compra de DOOH, TV, online e mídia impressa são muito parecidas: através do perfil do público. O fato do público consumir muito mais mídia fora de casa do que em casa, se tornou importante para os anunciantes.

O recado está dado. Como uma indústria, a Mídia Digital Out Of Home está demonstrando que é relevante, consistente, previsível e fácil de comprar. É muito claro também que é uma mídia complementar que dá a qualquer campanha mais alcance e substância, e não tem a intenção de “substituir” qualquer outro meio.

Resultados de campanhas previsíveis. Há um claro crescimento — totalmente medido e validado — mostrando que o DOOH melhora a lembrança de marca e o recall. Quando a Crest queria aumentar a intenção de compra, DOOH aumentou essa intenção em 38%. Quando a FedEx queria aumentar o recall de um anúncio, DOOH aumentou em 32%. Quando a Nescafe quis motivar os consumidores para a compra, DOOH disparou um aumento de 200% nas intenções de compra. Esses números estão se repetindo por diferentes redes, das pequenas até grandes, como WallMart.

Os melhores talentos da área estão mudando para o meio. Os early adopters envolvidos por anos neste setor, estavam motivados pelo desafio e paixão por essa mídia que estava surgindo. Percorreram essa estrada suja e esburacada e agora estamos vendo alguns dos mais bem sucedidos profissionais vindo por essa estrada, agora maior e pavimentada, com incentivos muito mais reais.

Muitas empresas da categoria estão lucrando. O investimento e os custos de operação para estabelecer uma rede caíram nos últimos anos, encurtando o período para se começar a ter lucro. Os custos baixos e o aumento dos investimentos em mídia na indústria produziram grandes resultados para muitas empresas do setor. Muitas das melhores empresas de DOOH nos Estados Unidos atingiram a lucratividade pela primeira vez este ano.

Grandes holdings estão fazendo investimentos em DOOH. Espere uma grande empresa de mídia entrando no setor de alguma forma no ano que vem.

Qualquer indústria demora cerca de 10 anos para amadurecer, e este é o tempo que as redes DOOH estão por aí. Ainda há muito trabalho, mas definitivamente estamos nos aproximando do ponto de inflexão da categoria.

Dica da Priscila que viu na Rede Elemidia.